Em síntese, podemos apontar as seguintes vantagens em convencionar contratualmente sobre a resolução de eventuais disputas pelos métodos extrajudiciais:

Respeito à autonomia de vontade das partes – a escolha do caminho, do tempo, do local, dos critérios, dos procedimentos e dos especialistas dá clareza de que os meios extrajudiciais e/ou

consensuais prestigiam a autonomia de vontade das partes.

• Simplicidade – não está sujeito a formatos herméticos estabelecidos na lei. Respeitados os princípios regentes, terá plena validade jurídica.

Flexibilidade de procedimentos – os procedimentos podem ser convencionados. Respeitados princípios básicos, terá validade jurídica e poderá se amoldar à conveniência das partes, à complexidade do conflito, às peculiaridades de cada caso, sendo um procedimento enxuto para casos simples e mais denso para casos mais complexos, definido caso a caso.

Confidencialidade – preserva a imagem das pessoas envolvidas e o próprio conteúdo da discussão, viabilizando que se possam abrir as verdades de suas posições, sem temer o desgaste de suas

imagens e a utilização indevida de tais informações em procedimento futuro.

Rapidez – garante a resolução dentro do tempo convencionado ou definido na lei, com evidentes e relevantes consequências pelo não respeito ao tempo estabelecido.

Economia – a rapidez na resolução da disputa assegura acesso mais breve ao conteúdo econômico da própria controvérsia, minimizando os custos de um longo litígio, e garantindo os benefícios

do imediato proveito econômico de seu resultado.

Especialidade – A escolha do profissional com expertise adequada para o tipo de conflito, que será responsável pela condução do procedimento e pelo estímulo das partes na composição  do  conflito

- nos casos autocompositivos - ou responsável por dirimir a controvérsia - nos heterocompositivos - contribui para assegurar mais qualidade ao produto obtido com o método escolhido, seja

um acordo, seja uma sentença.